sábado, 6 de novembro de 2010

Como nossos pais

Às 7:45 dessa belíssima manhã de domingo, recebi uma mensagem do meu grande pai que dizia "The day is today". Sim, pai, hoje é o nosso dia. Nosso e de todos os devotos fiéis seguidores dessa banda atemporal que são os Beatles. Sim, hoje é o nosso dia. O céu parece mais azul, a ressaca não bateu, nem mesmo a cólica que surgiu pra tentar estragar meu humor triunfou: para tanto, conto com auxílio da medicina e suas drogas. É, hoje é o NOSSA dia, Maccamaníacos!

Sem querer ser repetitiva - já sendo - nem nos meus mais remotos sonhos eu imaginaria estar presente nesse momento "histórico" da cidade de Porto Alegre e, claro, do nosso país. Desde o dia em que o show foi anunciado, meu coração não descansou um segundinho. Confesso que até dei uma choradinha ontem, pré-show, mas me senti meio rídicula por isso. Enfim, as lágrimas de verdade virão hoje. Nonstop.

Música é, provavelmente, depois da minha família e bffs, o elemento mais importante na minha vida (ouso a dizer que substitui até alguns amigos, sometimes...). E, durante 28 anos, Paul me acompanha onde quer que eu vá. Devo isso ao meu pai: meu rei, meu herói, meu ídolo-mor. Não fosse ele, sei que provavelmente teria encontrado o caminho (do bem) e seria uma grande fã de rock por conta própria. O meu ótimo gosto, graças a Deus, veio de berço. E nada melhor do que ter uma família maravilhosa para compartilhar tal momento. Minha irmã e eu vamos celebrar nossa infância, nossa criação religiosamente Beatlemaníaca e rock and roll hoje à noite. Amém.

Não, meu pai não vai no show. Diz que tá muito velho pra esse tipo de aglomeração. Insisti. Depois insisti mais um pouco. Não deu. Racionalmente falando, entendo-o. Nem eu tenho tanta (mais) paciência assim pra esse fanatismo, correria e loucurada. Já disse que vou chegar tarde e ficarei lá no fundo com a velha guarda (que REALMENTE viveu tudo isso, eu fui uma mera seguidora) curtindo um Woodstock à nossa maneira. E quando aquele estádio começar a tremer, é pro meu pai que eu vou ligar. Porque ele merece, nem que por alguns minutinhos, ouvir o cara que mudou nossas vidas. Forever.

Um comentário: